Fuga



A gente só foge daquilo que a gente sabe que não pode lutar contra.
E é por isso, que eu fujo de você.
Perto de você, eu não conseguiria negar o amor que ainda sinto,
Que ainda mora em mim...

Coisa complicada sentimento, seria mais fácil deixar fluir, subsistir sem amarras.
Como o rio que corre e não se interroga,
E não se represa, vira afluente, se espalha em mangues,

 Se iguala ao mar, muitos nomes, muito jeitos sem deixar de ser líquido,
Pula destemido do precipício,

Corre todos os riscos, sem eira nem beira, vira cachoeira a se deixar levar.

Parceria poética: Fábio Murilo/Nanda Olliveh

Comentários

  1. Ah, companheirinha, como ficou harmonioso nosso poema, parece composto por uma só pessoa, em minha opinião. Pois é, esse amor que nos referimos, esse embate entre emoção e razão, esse medo de se entregar a que se refere o texto poético, é a razão de angustia, ansiedade, receios, hesitação diante de evidências, de sentimentos que afloram naturalmente e a gente só se machuca reprimindo-os, sufocando-os, negando-os. Sentimento não se explica, se vive ou não, não há muito que se entender, pagar pra ver, correr o risco, deixar acontecer ou passar. Gostei da escolha da composição, és muito boa nisso, sempre atualizada, e o blog? Que lindo, hein? De cara nova, show! Obrigado pela honra da partilha, fiquei muito feliz. Beijos!

    ResponderExcluir
  2. Bom dia Nanda
    Excelente o teu poema. Amei

    Adoro o novo visual do blogue :-)

    Beijo e uma excelente segunda-feira

    Coisas de Uma Vida 172

    ResponderExcluir
  3. Sentimento é algo complicado mesmo.

    bjokas =)

    ResponderExcluir
  4. Será que a fuga é a verdadeira solução?...
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  5. Não vai a cidade à montanha,
    vem a montanha à cidade
    para onde vai não seja estranha
    do amor, nem da felicidade!

    Nunca se foge, do que se gosta,
    mesmo sabendo que não vai vencer
    o que é preciso é saber dar a volta
    e nunca na vida se esmorecer!

    Amiga Nanda, haverá sempre um lugar,
    onde pode estar escondida agradável surpresa
    por isso também não se deve recusar
    de por à disposição de quem a ama a sua beleza!

    Boa noite e bons sonhos, amiga Nanda, um beijo.
    Eduardo.

    ResponderExcluir
  6. O blog cheio de estrelinhas a brilhar, e um poema criado por duas outras estrelas. Parabéns aos dois, o poema parece ter sido escrito apenas por um, tal a sintonia. Perfeito.
    xx

    ResponderExcluir
  7. Gosto muito da escrita do Fábio e de você não precisa falar, pois sua sensibilidade é tocante, minha querida!
    Beijinhos.

    Coloquei seu lin lá no lin.blog.br

    ResponderExcluir
  8. Parabéns ! Este belo poema a duas mãos mostra que existe entre vós, uma grande cumplicidade e afinidade.
    Um beijinho

    ResponderExcluir

Postar um comentário